sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

A crise

Esta crise vem rondando meu travesseiro e tem feito de minhas noites um verdadeiro tumulto. Se eu já não conseguia dormir não tendo que pensar nesta história de colapso financeiro mundial, imagine agora, com as más notícias expostas escancaradamente nos jornais.
Levanto feito zumbi e lá vêm mais notícias. Fico gelada ao ler as manchetes. Nem me surpreendo com mais nada. Depois dos Estados Unidos dormirem bilionários e amanhecerem miseráveis, tudo pode acontecer.
Os economistas, convertidos em profetas sinistros, são enfáticos: China só crescerá 9% e a Índia só 7%, em 2009. A Chanel com sua queda nas vendas. A Ferrari deve demitir funcionários. Ingleses foram à banca rota, juntamente com os americanos depois de lhes comprarem ações dos bancos.
Pelo jeitão da crise, vai ter até rainha penhorando coroa de diamantes, soldados perdendo emprego, pois as guerras terão de terminar por conta do corte nas despesas dos países envolvidos e por aí vai.
Pior que sempre acaba sobrando para nós, brasileiros, que já estamos sentindo a goteira sobre nossas cabeças. Quando tem tempestade no Primeiro mundo, o Terceiro acaba afundando na lama.
E pensar que quase viramos magnatas com a descoberta do pré-sal (ortografia válida até 2012), mas, com o preço do petróleo indo para as cucuias, lá se vão nossos sonhos.
Embora já saibamos lidar com as crises inflacionárias, já estamos exaustos de sambar miudinho para acompanhá-las. É um tal de congela, descongela, plano econômico, Bresser, Collor, superávit, indexação, ajustes fiscais, flutuação, âncora cambial, tantas palavras novas e difíceis tivemos que aprender (e agora recentemente, escrever). Haja cintura, viu.
Acreditávamos estar no bem-bom da estabilidade financeira, aqui, do lado de baixo do Equador, nos aparecem estes gringos para acabarem com nosso sossego.
Mas, quer saber? Somos professores de crise. Podemos dar aulas aos economistas do apocalipse. Nada poderá ser pior do que o brasileiro já passou, assim eu espero.
E, tem mais, estas notícias estão me dando um stress danado.
Melhor eu desligar a TV e não comprar mais jornais. Se os ricaços estrangeiros não puderem mais comprar nossa soja, café, gado, frango, frutas, milho, etc, vai sobrar comida e vai ficar tudo mais barato para alimentarmos os muitos brasileiros. Assim, mais consumo, implicará em mais trabalho que implicará em mais dinheiro que levará a mais compras, fazendo crescer nossa indústria que gerará mais empregos.
Isso mesmo. Jogarei quase todo jornal no lixo e só lerei o suplemento agrícola que terá melhores notícias, com certeza. Quanto a TV, melhor assistir ao Globo Rural e afins.


19 comentários:

Jens disse...

Oi Soninha.
Menina, parece maldição. Justamente quando o Brasil estava querendo respirar e engatar um mínimo de estabilidade financeira, surge esta malfadada crise.
Uma coisa que me intriga nesta história toda é que ninguém é responsável, a não ser o impalpável "mercado". Já na hora da distribuição dos lucros, nos tempos de fartura, o "mercado" tem nome, cpf e conta corrente. Na hora dos prejuízos somos todos iguais.
Mas sejamos otimistas (não só o sertanejo, mas todo brasileiro é, antes de tudo, um forte). A crise vai passar. Sobreviveremos. Só não sei em que condições, hehehe...
Um beijo pra voê e um ótimo findi.

Eurico disse...

Estou com o Jens, e não retiro uma vírgula do que ele disse. Façamos a travessia com fortaleza d'ânimo. rs
Muita paz. Muita luz! Saúde e fraternidade!

loba disse...

Soninha, excelente crônica! Juro que eu gostaria de tê-la escrito - até pq, vc disse o quê e como eu gostaria de falar sobre esta malfadada crise.
Talvez o meu acréscimo seria os respingos de chumbo que andam me caindo pela pele..rs...
Mas sabe que eu acredito que sairemos desta mais forte? Continuo acreditando que por pior que seja uma crise, ela nos faz tirar os olhos do umbigo. e com isso, tendemos a crescer um pouco mais, né?
Portanto, nada de perder o sono, moça. Vamos continuar fazendo nossa parte e esperar que outros nos siga! Quem sabe né? rs...
Beijo querida.

Crys disse...

Amiga, faço que nem minha filha,
"que crise?" rsrs

Acredito que existe uma crise, porém ela não tem as dimensões que tentam nos passar. O problema maior é o nosso emocional, a gente tende a se apavorar, mas aos poucos o otimismo vai sendo substituído pela realidade. Assim é o brasileiro...
E assim como a Loba, eu tb adoraria escrever esse texto...

Beijos, querida!

Luiz Carlos disse...

Oi Soninha,

Que crônica fantástica! Você tem se superado.
Tiro meu chapéu para este seu texto.
A forma como vc fala desta tão cruel crise me fez sentir inveja, confesso,pois eu também gostaria de ter escrito sobre isto de um modo tão simpatico.
Realmente estamos passando por momentos cruéis e eu tb me preocupo muito pois sou comerciante e sinto os reflexos da crise.
Vamos torcer para que dias melhores possamos ter.
Parabéns pelo texto.

bjs

Miguel disse...

Amor, desse jeito, além de minha principal consultora de informática e primeira e única secretária, acho que vou ter que nomeá-la, tambem, minha consultora de assuntos economico/financeiros.
Depois. bem depois vou ter que sair atrás de ganhar uma boa grana para poder pagar teu salário que já esta ficando vultuoso. rsrsrsrs

Beti Timm disse...

Soninha,

uma coisa é certa, somos escolados em crises. Levantamos sacudindo a poeira e seguimos preparadas para a próxima!

Tem um mimo pra ti lá no Rosa!

Beijinhos sem crises

Eráclito-Alírio da Silveira disse...

Sônia, li com muita atenção o teu trabalho-crônica, sobre esse subproduto do capitalismo chamado de crise. O teu trabalho é sumamente expressivo e traz em seu bojo, a sincera preocupação de todos nós.
Os ricos, a crise não os afeta, pois eles têm seguros contra a crise, é sabido que todas as crises são resgatadas pelo pobres. Ah. pobres coitados! Parabéns pelo trabalho. Confesso que esse mal chamado Mestre, está aprendendo com essa preclara Pupila. Beijos sem crises.

Eráclito-Alírio da Silveira disse...

Sônia, li com muita atenção o teu trabalho-crônica, sobre esse subproduto do capitalismo chamado de crise. O teu trabalho é sumamente expressivo e traz em seu bojo, a sincera preocupação de todos nós.
Os ricos, a crise não os afeta, pois eles têm seguros contra a crise, é sabido que todas as crises são resgatadas pelo pobres. Ah. pobres coitados! Parabéns pelo trabalho. Confesso que esse mal chamado Mestre, está aprendendo com essa preclara Pupila. Beijos sem crises.

Eráclito-Alírio da Silveira disse...

Sônia, li com muita atenção o teu trabalho-crônica, sobre esse subproduto do capitalismo chamado de crise. O teu trabalho é sumamente expressivo e traz em seu bojo, a sincera preocupação de todos nós.
Os ricos, a crise não os afeta, pois eles têm seguros contra a crise, é sabido que todas as crises são resgatadas pelo pobres. Ah. pobres coitados! Parabéns pelo trabalho. Confesso que esse mal chamado Mestre, está aprendendo com essa preclara Pupila. Beijos sem crises.

Eráclito-Alírio da Silveira disse...

Sônia, desculpe, por clara inexperiência, foi editado 3 vezes.
Continuo o mesmo.

Rosangela Neri disse...

Passei pra te deixar um beijinho carinhoso... RÔ

Ceci disse...

Soninha, ótima crônica, vc disse tudo o que eu também gostaria de dizer. Mas tem algo: as notícias alarmantes visam justamente desestabilizar nosso emocional, tirar nossas metas, desfazer nosso riso. Portanto, vou continuar rindo à toa, batendo meu bombo, cantando e dançando, e...rsrsrs certamente dormindo meu belo sono. Não dê gosto para os sádicos, vamos em frente que merecemos o melhor da vida.
Grata pela sua visita ao Viver Melhor. Abraços fraternos.

Zeca disse...

Soninha,

penso que acabarei chovendo no molhado, já que todo mundo está dizendo o que eu gostaria de dizer: adoraria ter escrito esta crônica!
Parabéns, minha amiga! Está claro, limpo e direto! E muito bem humorado.

Beijo.

Jeanne disse...

Olá, estou "chegando" de férias, sem ter ainda caído na "real" (não estive em Marte, juro!)por ter desligado propositalmente de notícias, e leio esta crônica super bem elaborada que me faz literalmente "cair na real" de supetão!rsrsrsrs...
Nem preciso dizer que me diverti muito, mas agora há que voltar com tudo para enfrentar crise, contas,etc...
Beijos :)

Cherry disse...

Sôninha,
Eu ria qdo o nosso presidente dizia, há pouco menos de 2 meses, que não seríamos atingidos pela crise. E todo mundo gastando o 13º (apesar do consumo ter diminuído como alardeou os institutos de estatísticas...). Mas é meio como vc disse, somos escolados e passaremos por mais essa, vivos. Brasileiro é um povo q não desiste nunca e sempre dá um jeitinho (honesto, pois me refero ao POVO) pra contornar as dificuldades.
E durma, moça! rs

Beijos!

Ana Lúcia. disse...

Soninha, amiga querida!!
Tudo o que você disse é verdadeiro...
O que realmente é péssimo é esse nosso stress sempre em ascensão, quase gerando uma depressão sem solução... Mas, somos brasileiras e brasileiros ultra experientes, o que é mais uma crise para nós, apenas mais uma lição e em breve, mais uma página virada!!
Quiçá Deus ajude a nós e ao universo como um todo!
Que esta trágica lição sirva para lembrar aos “poderosos”, que todos “são falíveis”, que promoção e informação são qualidade, e não defeito.
Aos poucos, ainda que com sofrimentos marcantes, o mundo vai aprender que na vida o maior valor deve e deverá sempre ser a própria VIDA e não o consumismo que com ela impensadamente fazem...
Juntos, chegaremos lá: na PAZ!!
Pode apostar que seu sono vai voltar logo...
Deixo aqui um beijãozinho, um abração apertadinho, otimismo e FÉ!!

Jens disse...

Oi Soninha.
Tô em Flopis, saindo pra folia. Só passei, na corrida, pra desejar, da melhor maneira possível, felicidade no feriadão.
Beijo. Reze para que eu sobreviva.

Zeca disse...

Soninha,

sei que viajaram, mas deixei a saudade passar por aqui...

Beijos.