terça-feira, 10 de março de 2009

Memória esquisita


Às vezes acho esquisito. As pessoas vivem angustiadas. Parecem loucas ou mal educadas. Talvez, quem sabe, sofram de miopia. Parece que não enxergam. Miopia mental, se é que existe isso.
Pessoas chamando outras de querida, perguntando se está tudo bem, ou, como vai a família, numa busca para driblar situações e descobrir com quem estão falando. Confundem mãe com filha, perguntam da saúde de quem já morreu, trocam nomes.
Uma espécie de amnésia persegue muitos de nós. A memória falha. Tem gente que fica revirando a bolsa, procurando os óculos que estão bem na testa ou pendurados ao pescoço. Quantos esquecem as chaves no escritório e não conseguem entrar em casa sem a ajuda do chaveiro de plantão. Guarda-chuva? O que é isso? Parece fora de uso. Nunca nos lembramos de pegá-lo.
Há quem fique escaneando a memória atrás de palavras e informações que se escondem na confusão dos neurônios. Embatucam no meio de frases e acontece o pior: não sabem mais o que iam dizer.
Dezenas de recados, anotados em “post-its” diversos que nem se lembram de ler. A memória cada vez mais cansada, diminuída.
Mas, engraçado que temos memória de elefante para coisas que não tem a menor utilidade prática, como por exemplo, letras de gingles de comerciais antigos, números de telefone das colegas da escola primária, melodias que, a um breve acorde, cenas inteiras revivemos como se tivessem acontecido naquele instante, poesias que recitamos de cor e que aprendemos na infância... Estranho, né? Ou melhor, não é estranho, pois a expressão “de cor” vem do latim cuore, que quer dizer coração e, o que passa pelo coração, nunca esquecemos.
Nem adianta querer dizer que se está ficando velho, porque temos de deixar de lado antigos preconceitos. Mesmo porque, a memória dos jovens não é melhor, tem apenas mais espaço livre.
Desperdiçamos memória com bobagens que nunca iremos usar. Para que serve saber quantos são os afluentes do Rio São Francisco?
Será melhor selecionar as zilhões de informações que recebemos, deletar o que não importa e armazenar o que interessa.
A medicina já é capaz de nos ajudar a potencializar nossa memória. Os médicos indicam certos medicamentos, mas, só irão funcionar se lembrarmos de tomá-los.
Palavras cruzadas são ótimas para o exercício de reter informações. 15 quilos correspondem a uma arroba. Einstein tinha como primeiro nome Albert...
Aquela atriz que fez aquele filme lindo e que o rapaz morre e tenta falar com ela através daquela outra que também fez aquele outro filme em que ela se disfarçou de freira, num convento onde várias freiras cantavam. Lembrei... Esta atriz do filme do rapaz que morreu foi casada com aquele ator, meio carequinha e que também fez aquele outro filme em que era um psiquiatra e que tenta ajudar o menino que via pessoas que já haviam morrido...
Desisto.
Penso que seria melhor instalarmos um upgrade na memória e, também, um sistema de busca.
Busquei no Google e o filme é o Ghost. Isso. Busquei novamente e a atriz é a Demi Moore. A outra é a Woopi Goldberg.
Não levou nem um minuto. É claro que eu sabia! A informação só estava perdida no buraco negro da mente.
Ainda bem. Fiquei mais animada. Já estava me somando ao total de pessoas que só comem gergelim para lembrar o nome do grão.
Oh medicina! Ajuda nosso cérebro avançar tanto quanto avança a ciência!

11 comentários:

Miguel disse...

Amor,
vc arrasou no tema escolhido. Parece até que tomou alguem como exemplo.
Foi? Se foi quero alerto que vou tentar receber meus direitos autorais.
Voltando ao textoi, antes que eu me esqueça, quero te pedir com toda a intensidade possível, não se esqueça de mim,
E como vc termina seus textos, Paz muita Paz!

Jens disse...

Oi Soninha.
Acho que a falta de memória se acentua com a idade.
Pessoalmente tenho um sistema: por exemplo, quando lembro de algum assunto ou leio ou vejo algo interessante que quero discutir depois com a minha Mari Timm, anoto em um bloco. Caso contrário, esqueço. Nossas conversas são interessantes, parece uma assembléia. Primeiro item da pauta: adivinha quem transou com aquela gostosona que foi casada com aquele cantor que se acha belo? (A gente conversa muita abobrinha) E por aí vai...
***
Até hoje, ainda lembro o hino da minha escola primária, Grupo Escolar José de Anchieta, bem como o hino dos Patrulheiros Toddy e do Vigilante Rodoviário. Pra quê serve, não sei.
Também sei que a rua da Praia não tem praia - o que não me ajuda a pagar as contas.
***
Seria legal se o nosso cérebro fosse como o google, onde digitamos a palavra e a informação aparece quase instantaneamente.
***
Tinha mais pra falar, mas esqueci.
***
Mas não esqueço de te deixar um beijo.

Karine Leão disse...

Soninha,

Vim conhecer seu blog e assustei-me... o post parece que foi feito para mim.

Depois da morte do meu marido em 2006, tenho passado por tantas turbulências que minha memória que antes considerava prodigiosa, tem me pregado peças.

Ando relapsa... não sei se por vontade própria ou pelas circunstâncias... mas esqueço-me de muitas coisas... o que considero ruim.

Enfim, valeu pela reflexão, ler-te!

Um beijo Karinhoso,

Georgia disse...

Soninha, sua foto no perfil está linda!!!

Pois é, às vezes tb acontece comigo de eu ter todos esses dados mas a memória nao me traz que bom que temos a internet, ela nesses casos facilita muita coisa.

Um beijo

Karine Leão disse...

Sônia,

Voltei... tudo que nos leva à reflexão permite nosso crescimento, né?

Sua filha é xará da minha irmã... e xará de apelido meu: Ká! Acho essas duas letrinhas muito simpáticas e charmosas, além de representarem para mim o significado do meu nome: Karine significa aquela que é querida por todos. Então, associo (Ka) a tudo que faço com amor.

Viver melhor e para o bem é uma estrada longa e por mais que caminhemos, temos muito o que andar ainda. Nessa estrada estou engatinhando, mas não quero sair dela nunca.

Grata sou eu, pela gentil e maravilhosa visita ao Ponto. Seja sempre muito bem vinda! Ainda mais que o misto de sangue paulista e mineiro percorre suas veias!

Um grande e Karinhoso beijo!

Ah, vou te linkar, ok?

Zeca disse...

Sonia,

muito bom o texto! Só não esqueço o que gostaria de comentar pois ele me pegou pelo coração... rs. Penso que estamos nos tornando um bando de desmemoriados exatamente devido à internet que, ao mesmo tempo em que nos bombardeia com milhares de informações novas, também nos ajuda a selecioná-las, procurá-las e encontrá-las. Daí, os neurônios que não são bobos nem nada, saem de férias... só que esquecí para onde foram.

Beijos, com carinho.

Cecília disse...

Soninha,
que postagem maravilhosa!!!!
Às vezes acho que miopia mental existe... rs

Beijão!
Tenha um ótimo final de semana!

Crys disse...

Soninha, que texto fantástico!
Acho que o famoso "deu branco" cabe muito bem, qdo a preguiça de buscar no nosso "HD" o que realmente nos interessa, se instala. É muito fácil apagar, mandar pra lixeira, é claro tb, que não queremos nos livrar de tudo de uma vez, por tanto é bom termos como opção, deletar de vez ou restaurar...

...meu "espaço mental" tem sido ocupado com certas coisas que tem me tirado o sono, mas nada que me faça esquecer dos amigos queridos... viu?!?!

Beijos, linda!
Um domingo de muita PAZ!!!

Ana Lúcia. disse...

Soninha!
Amiguérrimaaaa!
Gargalhei...
E, várias vezes...
Será identificação?
Sim, quase total...
A "do filme, da atriz...", essa você "colou", não é possível... está muito perfeita com a realidade... (rssss).
O tema é "mara",
e perfeita
foi sua dedicação aos "detalhes fundamentais"...
Ficou, simplesmente, SENSACIONAL!!!!!!
Parabéns, menina!!
"Nota ONZE"!!
Bom... vê se não esquece este comentário, hem... foi o melhor de 2009... (rssss)
Beijãozinho, e aquele abração apertadinho!!

Luiz Carlos disse...

Oi Soninha,
Vc tem toda razão. Já ia me esquecendo de escrever pra vc.
Esqueci de verificar se havia novo texto seu e só fui me lembrar hoje pela manhã.
Lembrei quando vi seu e-mail dizendo sobre o outro site sobre SP.
Enquanto estou lhe escrevendo, estou lembrando de escrever lá também.
Vou me cuidar. Meu cérebro já está começando a ficar preguiçoso.
Valeu a dica.

bjs

Jeanne disse...

tenho uns truques além do filtro automático que uso para selecionar a enxurrada de informações que recebo no dia a dia, uso muito a agenda que está sempre à mão, e faço um diário ( o diário deve ser relido periodicamente para funcionar).
Ajuda um pouco, já que estou na idade de começar a perder memória, entre outras coisas mais,rsrsrs...
Beijos