sábado, 31 de janeiro de 2009

Mudanças - A vida é bela

Muitas vezes ouvimos dizer que pequenas mudanças de comportamento podem levar a grandes transformações internas e externas.
Realmente, nada melhor do que andar de bem com a vida.
Para estas tais mudanças, antes de qualquer coisa, é preciso romper com certas crenças arraigadas. Uma delas é que a tal felicidade mora atrás do arco-íris, é plena e eterna. Ledo engano.
A soma dos bons momentos e a valorização de cada um deles é que nos tornam felizes e satisfeitos com a vida.
Será sempre preciso encontrar o equilíbrio, deixando de ser radical, buscando a satisfação em tudo o que se faz e lidar com as situações sem julgamentos do tipo tudo ou nada, bom ou ruim, sucesso ou fracasso, porque, entre cada par destes conceitos existe uma gama de outras possibilidades que vão de 8 a 80 e o melhor mesmo é sempre o meio termo.
Manter o nível de felicidade sem fazer comparações e sem ficar satisfeito com a pouca sorte de outro é ser sensato e ter ótica na razão e não na emoção. Aliás, a emoção, muitas vezes, mais atrapalha que ajuda.
Sempre é bom nos mantermos otimistas. O medo é mestre em ativar pensamentos pessimistas, desencadear ansiedade, muitas vezes difícil de suportar.
Nossa! Como seria bom se eu mesma pudesse controlar esta ansiedade que é capaz de interromper que meus hormônios inundem meu campo emocional e controlem minha emoção para não embaçar minha razão.
Realmente, temos de deixar de ser egocêntricos, melhorar nossa auto estima, identificar falhas, reconhecer qualidades, compreender melhor o que nos foi colocado desde a infância como as falsas crenças, preconceitos, etc.
Tudo isto poderá nos fazer reagir melhor diante dos acontecimentos do dia-a-dia.
Com certeza, teremos melhores respostas. Claro que não existem receitas milagrosas e fórmulas mágicas capazes de nos fazer mudar a forma de enxergarmos o mundo. Cada caso é um caso isolado, com fatores ambientais, culturais, hereditários que influenciam em nossas atitudes e comportamentos. Mas, as transformações são possíveis, cabendo a nós a iniciativa para a mudança.
Mudar o vocabulário, sair do comum, se atualizar, sair do ócio, pensar diferente, melhorar como profissional, estudar mais, ler muito, cantar, sorrir, entre tantas outras coisas, são estratégias simples que nos ajudarão muito nesta trilha de mudanças.

8 comentários:

Miguel disse...

Amorfeco, por isso é que eu estou sempre entre o 4 ou 44...
Na verdade, é muito bom ler coisas inteligentes e cultas, a gente constata que com palavras rebuscadas ou rastaquelas (sem o trema), a verdade sempre prevalece.
Viver feliz é a unica coisa que nos resta. Temos de aproveitar cada moimento de felcicidade e vive-lo com total intensidade.
Nada pode ser maior que o nosso bem estar e a nossa felicidade.
Vive l'amour!!!

Miguel disse...

Errata:
Onde se le amorfeco, leia-se, amoreco.

Jeanne disse...

Soninha, tudo perfeito no teu texto.
Para não comentar todos os aspectos que colocaste, fico apenas com a questão da nossa mania de nos compararmos com os outros. Nada mais prejudicial e até cruel para com os outros ou com a gente mesmo, já que cada um tem o que merece nesta vida, seja de bom ou de ruim, e sabendo aproveitar as adversidades como aprendizagem que elas são, pode-se viver muito bem.
Nada muda ao redor, mas com a mudança interna, que deve ser lenta para ser segura, passamos a ver o mundo sob outro prisma, mais otimista e ao mesmo tempo realista, basta abandonar as ilusões inúteis.
Ufa! Esta semana não compareci ao meu trabalho na psicografia, acho que por isto estou deixando as energias nos comentários (loooongos!)
Bom domingo, beijos :)

Zeca disse...

Soninha,

meus grandes desafios e também exercícios diários estão justamente em viver de bem com a vida, mesmo diante das rasteiras que ela mesma nos dá (são lições!).
PAUSA NO COMENTÁRIO:
Ontem à tarde, olhando para o meu jardim, percebí que a luz estava belíssima, entre o dourado e o rosado (durante o por do sol) e saí para olhar para o céu - sempre me encanto com os espetáculos da aurora e do ocaso. E não é que havia um lindo arco-iris? Sei que a felicidade não mora atrás, nem ao lado, nem no começo ou no final dele, mas a semsação é de felicidade plena ao observá-lo!

Retornando, o que mais faço é valorizar os bons momentos, procurando sempre o equilíbrio em minha vida. Sei que nem sempre consigo - afinal, sou humano! - mas quando desequilibro, rapidinho volto ao normal.
Enfim, eu sempre me classifico como um otimista nato. A ansiedade existe em mim, claro, mas num grau suportável, mais fácil de controlar.
E procuro sempre utilizar aquelas estratégias que você menciona no final. Elas me ajudam a manter o sorriso fácil e a vida mais leve.

Beijos, carinho.

Loba disse...

Soninha, belo texto! Concordo inteiramente. Mudança tem que ser de dentro pra fora e tem que partir da vontade de cada um de nós.
Sabe, tenho um cuidado extremo com pessoas que usam aquele velho ditado: time que tá ganhando não se mexe. Pra mim, ganhar é caminhar sempre pra frente, sempre buscando crescer. E pra isso, não é preciso grandes ações. Pequenos atos, como os descritos por vc, fazem toda a diferença, né?
Uma semana linda pra vc, moça!
Beijão

Luiz Carlos disse...

Oi Soninha,

Que imenso prazer ler este seu texto. Muito bem escrito, como sempre. Impecável.
Você sabe o quanto gosto de seus textos.
Isso me fez lembrar de suas palestras motivacionais lá no Centro, das quais tenho muito saudade.
Realmente, mudanças são necessárias e só bem nos trazem quando acertamos o item a ser mudado. Sö é ruim o medo que temos e a falta de iniciativa que, muitas vezes, retardam ou até inibem o que dever ser mudado.
Mas, com estas suas dicas simples e com o entusiasmo que lhe é peculiar, sentimo-nos mais motivados e impulsionados a agir.
Muito bom.
Agradeço-lhe. Bjs.

Beti Timm disse...

Soninha,

É sempre importante e essencial, mudarmos a todo momento, seja em pequenas ou grandes coisas. Buscar desvendar o inusitado, experimentar coisas diferentes. Já mudei tanto nesta vida que me sinto uma camaleoa, e todas mudanças me trouxeram grandes alegrias.

Beijos e muita saudade Dona Moça!

Crys disse...

Lembrei da canção (acho que de Oswaldo Montenegro), "Não pense que o mundo acaba, ali onde a vista alcança, quem não ouve a melodia, acha maluco quem dança, se você já me explicou, agora muda de assunto. Hoje eu sei que mudar dói, mas não mudar dói muito..."

Sabemos q toda mudança gera conflito, mas o importante é aprender lidar com eles, pq as mudanças são necessárias.
Percebeu que todo fim de ano é a mesma coisa, todo mundo (ou a maioria) faz uma espécie de balanço sobre o ano que finda, sobre as conquistas, perdas, relacionamentos, etc etc...
O que ninguém entende (eu tb me incluo nessa) é que todos precisamos de mudanças, seja de comportamento ou de atitude se quisermos ver resultados diferentes para um futuro, ou pelo menos para um futuro próximo.
Que possamos fazer as mudanças necessárias (e desafiadoras) e que elas possam começar por nós, ou seja, "Mudemos o mundo começando por nós!"
Esplêndida abordagem, querida, vc o fez muito bem.
Bjos, amiga!