segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Façamos nós

É interessante esta luta humana em busca do necessário...
Na barriga da mãe estamos protegidos e ela nos supre. Mas, logo que saímos da barriga, começa nossa luta pelo necessário, já gritamos chorando, em busca do ar para respirarmos para depois irmos, sedentos, ao seio materno em busca do alimento.
Em pouco tempo, vamos conhecendo-nos, descobrindo nossas mãos, nossos pés e nos encantamos conosco. Logo vamos percebendo o que tem ao nosso redor... Olhamos quando ouvimos alguém nos chamando pelo nome e verificamos que tem muita coisa ao nosso redor. Então, nos mexemos, nos arrastamos meio desengonçados até conseguirmos engatinhar para irmos buscar o que descobrimos e que passa a ser necessário para nós. É uma grande luta, mas, através deste esforço de nos arrastar, engatinhar, esticar, nós conseguimos, finalmente, andar.
Pronto. A sorte está lançada. Agora passaremos a ter novas necessidades. Quantos tombos buscando o que queremos. Sempre aquela luta pelo material.
É imperioso, também, nos aprimorarmos para adquirirmos o que julgamos necessário. Para termos o bem material, nos esforçamos pelo aprimoramento e pela qualificação intelectual, profissional, financeira...
Necessitamos da escola primeira... Depois, as escolas secundárias, técnicas, depois as faculdades, as especializações, naquela busca incessante pelas muitas coisas efêmeras que necessitamos.
Mas, Deus não nos proíbe de lutarmos por isso. É lei natural a do progresso. É nosso dever progredir. Se assim não fosse, o homem não teria descido da árvore, não teria saído das cavernas.
Mas, o grande problema é o excesso. Sim. O excesso nos encarcera. Supervalorizamos o supérfluo e nos esquecemos que o mais importante são os valores morais, a qualificação moral, espiritual.
A humanidade (grande parte dela) inverteu alguns valores e passou a dar mais importância em ter, esquecendo-se, muitas vezes, de ser.
Infelizmente, nesta empreitada desesperada buscando o necessário que passa a ser, em pouco tempo, supérfluo, as pessoas ignoram certos princípios morais, acabam prejudicando pessoas, sem o menor escrúpulo.
Bem, mas, isso é com elas, diríamos muitos de nós. Porém, me pego pensando sobre isto. Sobre como o mundo seria melhor se fôssemos melhores.
O que está em nossas mãos fazer para modificar o que deve ser modificado? Qual a nossa responsabilidade, como seres humanos, nesta obra maravilhosa de Deus? Quais seriam nossas reais necessidades?
Penso que devemos fazer aquilo que já entendemos como certo e não ficar esperando que o outro faça. Façamos nós. Façamos a nossa parte. Já é um bom começo.
O todo só irá mudar, efetivamente, quando a unidade mudar.
Mãos a obra.

11 comentários:

Miguel S. G. Chammas disse...

Oba primeirão!
Menina, eu sempre falei que escrevias bem e tinhas de ter teu próprio blog.
Mas estás me saindo melhor do que a encomenda.
Agora, alem de escrever bem, começas a filosofar e ditar regras de comportamento.
Estou orgulhoso de tua capacidade. E dizer que posso desfrutar de toda essa potencialidade ao vivo e à cores e mais do que maravilhoso. É indescritível.
Parabéns amor!

Anna Lúcia disse...

Soninha...

Esta é minha amiga. Que ótimo ler seus textos.
Lembro-me de suas aulas, falando sobre estas questões morais. Sobre igualdade, responsabilidade.
Que saudade de ouvir você.
Estou aodrando esta cisa de blog.Assim, posso te ler e lenrar de tanta coisa boa. Lembrar, principalmente, que devo começar urgente a modificar algumas coisas, aqui, em minha cabeça, sabe?
Adorei, mesmo, Soninha.
Parabéns, amiga.
Beijos

Miguel disse...

Esse Girassol veio para esquentar mais esta página.
Gira, gira, girassol,
esquenta meu arrebol....

Zeca disse...

Soninha!

Muito prazer! E muito obrigado pelas suas palavras lá nas minhas janelas. Eu já a conhecia através do meu velho amigo do peito, claro. Mas é a primeira vez que fazemos contato direto e isso me deixa feliz. Feliz por ver que a escolhida do meu amigo é verdadeiramente aquela mulher que transpira em cada palavra dele, em todo o bem que esse relacionamento tem causado ao meu querido amigo. Feliz por encontrar mais um lugar com ótimos textos, bem escritos e de grande interesse para o crescimento de todos nós. Gostei muito deste texto e prometo voltar.
Beijo.

Ana Lúcia. disse...

Soninha, sumidinha!!
Adorei o texto que você escreveu no dia do MEU aniversário!!
Li e pensei: tenho que melhorar muito ainda!!
A vida é aprender todo dia... é desejar ser um coração que bate, sente, vê, acredita e divide...
Temos muito por fazer, bom seria se este pensamento fosse humildemente universal, se cada humano acordasse desejando praticar pelo menos uma atitude especial por dia...
Creio e quero crer que nós, através das palavras vivas que trocamos, somos o início de uma atitude fraternal e solidária...
Parabéns por cada palavras ALERTA que você sempre nos doa!!
Beijãozinho. Carinho. Saudades!!
Paz!Vida!Sorrisos!!

Beti Timm disse...

Amiga,
vou juntar as palavras do teu amor, mais as do Zeca, e dizer que todo talento adormecido, só precisa despertar. E o amor que vives, e que aquece teu coração, coloca para fora, toda a grandeza, das tuas palvras. Pq certamente alguém de alma tão nobre quanto a tua, tem muito a nos dizer. Não pare, prossiga sempre, mesmo qdo se achares sem nenhuma inspiração. Isso acontece. Mas basta olhar ao redor, que a inspiração brota forte e punjente.

Saudades e muitos beijos!

Georgia Aegerter disse...

Muito bom Soninha. Olha, estou vindo aqui te avisar que os posts sobre a blogagem coletiva estao todos em um único blog para faciliatr que deseja lê-lo.

O seu também está lá.

Entao, dá uma passadinha por lá vê se está tudo bem prá você como tudo ficou por lá com o seu post.

Aqui o link do blog: http://blog-blogagem.blogspot.com/

Te desejo um ótimo final de semana.

Abracos do Dácio e da Georgia

Beti Timm disse...

Sonimha,
estamos lhe esperando lá no Amigo Oculto!!

Beijos.

http://amigoculto2008.blogspot.com/

loba disse...

Sônia,
uma bela abordagem da caminhada humana! Infelizmente, o mundo (especialmente o ocidental) vive dentro de um sistema econômico que nos transforma em predadores da vida. Somos criados para TER, muito além de SER.
Mas é sempre tempo de refletir sobre a caminhada de cada um. Costumo dizer a mim mesma várias vezes ao dia: davida o que levarei é a própria vida. Isso me acalma. Me faz menos material e mais sentimentos.
Viajei, né? rs... Desculpe, mas é que seu texto é muito bom. Faz isso com a gente!
Beijos, querida.
Adorei a sua adesão ao AO! Seja muito bem vinda.
Ah... e me passa seu e-mail, tá?

Dora disse...

Sônia! Gostei de ler sua reflexão sobre as buscas que o ser humano faz, desde o instante do nascimento. Concordo com sua lúcida explanação sobre os caminhos que percorremos atrás de nossas "necessidades". Mas, sobretudo, concordo plenamente com o fato de que essa busca se torna excessiva, quando ultrapassa os limites do "TER".Precisamos do "pão de cada dia", sim. Mas, os supérfluos que a sociedade de consumo nos induz a possuir nos torna escravos dos "objetos".
Penso que a busca maior e mais acurada deveria ser dirigida mais às conquistas do "espírito". Essas conquistas deveriam mesmo ser constantes e infindas. Procurar a sabedoria do "SER", e olhar em volta os companheiros dessa viagem nossa...que, às vezes, carecem tanto de nós.
Enfim, falo pelos cotovelos...percebeu, né? rs
Deixo-lhe meu abraço de admiração.
Dora

dácio jaegger disse...

Uma convocação e das melhores, há que se atender aos preceitos de um bom viver, viver melhor em benefício de terceiros e de cada um de nós. Vejamos que estender a mão é infinitamente melhor do que mantê-la nas costas ou em ação que não corresponda ao bem. Sermos melhores é uma questão de ordem. É atender ao coração para que ele próprio não viva nos sobressaltos da finitude.
Seguir os exemplos bons acima da média. Não fazer aos outros o que não gostaríamos que fizessem conosco. Não estou no começo; colho resultados ótimos pelo que plantei por aí. Mas a chamada terá seguidores. Boa semana. Bjs.