terça-feira, 22 de setembro de 2009

ET existe?

Era Novembro de 1984, fim de tarde, Rodovia Anchieta, indo de São Bernardo do Campo para São Paulo, viagem de 20 ou 30 minutos. De repente, o motor parou de funcionar. Parei no acostamento da rodovia. Insisti em nova partida de motor. Nada. Fiquei apreensiva, afinal, tinha aos meus cuidados duas senhoras idosas, uma pessoa com necessidades especiais e duas crianças. Minha avó, sua filha altista, a irmã de minha avó, igualmente idosa e meus dois filhos pequenos.
Várias tentativas para fazer o carro funcionar e todas frustradas.
Naquela ocasião não dispúnhamos de telefone celular que só surgiu no Brasil em 1990. O jeito foi caminhar até um dos telefones SOS, espalhados pela rodovia e torcer para que estivessem funcionando.
Deixei meus tutelados fechados no carro com inúmeras recomendações às crianças e às idosas e lá fui eu. Alcanço um telefone e comunico a pane. Sem experiência neste problema, fui respondendo às perguntas do atendente da DERSA, concessionária que administrava a Anchieta na época. Ele chegou à conclusão que poderia ser falta de combustível e que, para este problema, ele não poderia enviar o socorro, só podendo ligar para algum contato que eu deveria indicar. Por mais que eu dissesse que havia abastecido o veículo naquela tarde e que não seria falta de combustível, negaram-me ajuda. Passei o número de telefone para o qual ele avisaria e desliguei, já meio desesperada. Volto até o veículo e comunico para minha avó o ocorrido e saio em busca de combustível. Caminhei muito até encontrar um auto posto e comprei o combustível para ser colocado no automóvel, somente para acalmar a consciência. Obviamente o problema não era falta de gasolina e, mesmo com insistência na partida, o motor não funcionou. Tentei empurrar o carro para fazê-lo “pegar no tranco”, mas, sem sucesso. Enquanto eu tentava de tudo, os pseudos atletas que fazem corridas à margem da rodovia, passavam de largo, esquivando-se e ninguém pode nos ajudar efetivamente.
Já anoitecia e as crianças reclamavam de fome, as senhoras idosas queriam utilizar o banheiro e meu desespero crescia ao ver-me impotente diante daquela situação.
Fiz vários sinais, pedindo ajuda para os outros carros que passavam em alta velocidade e não paravam. Até ajoelhei e, mesmo assim, ninguém parou para ajudar.
Eu decidi voltar ao telefone SOS e relatar sobre o problema que persistia. Novas recomendações para todos ficarem fechados no carro, em segurança, pois logo eu voltaria. Todos estávamos expostos ao perigo ali.
Saio em direção ao telefone que estava funcionando, que ficava a dois km dali, aproximadamente, rezando e já chorando. Nos primeiros metros de caminhada, percebo que vem em minha direção um homem caminhando lentamente. Vestia um sobretudo preto e também usava chapéu, igualmente preto. Tinha as mãos nos bolsos. Passei por ele rezando para todos os santos que eu consegui me lembrar e segui. Porém, lembrei-me dos meus lá no carro e o homem seguia naquela direção. Voltei imediatamente, a passos largos, coração aos pulos e respiração ofegante. Temia por assalto e por inúmeras outras crueldades que alguém poderia cometer contra pessoas tão indefesas e vulneráveis feitos nós, ali naquele local. Vi que o homem passou ao lado do carro e seguiu, Consegui alcançar o carro e entrei fechando tudo. Olho pelo espelho retrovisor e vejo o homem voltando.
Nossa. Como senti medo naquela hora. Mas, nada mais poderíamos fazer. O homem se aproximou de minha janela e perguntou o que estava havendo. Desci meio vidro e contei. Ele me disse que eu não poderia ficar parada ali, pois que de madrugada passaria um comboio de caminhões, vindos do litoral sul em direção a São Paulo levando equipamentos poderosos para uma grande indústria. Ele estava monitorando as condições da rodovia e informava à companhia de hora em hora. Contei sobre todas as tentativas para o carro funcionar e, também, sobre ninguém parar para nos ajudar e que estava aguardando o marido vir em nossa ajuda. Foi quando ele disse que me ajudaria. Animada, desci do carro. Tentei chegar mais perto do homem e ele se afastava. Somente disse para eu continuar dentro do carro que ele buscaria ajuda. Vi que ele foi depressa para a pista marginal e, praticamente, se atirou sobre uma caminhonete da DERSA que parou rapidamente, atravessou o canteiro e veio até nós. Expliquei o que havia acontecido e o condutor deu uma carga de bateria, mas, nada adiantou. Examinou mais atentamente e verificou que havia quebrado a correia dentada. Pediu-me calma e paciência, pois ele solicitaria, via rádio, um guincho para nos rebocar. Aliviada voltei-me para agradecer ao homem de preto pela ajuda, mas, cadê? Ele havia desaparecido. Tratei de acalmar meu tutelados e aguardamos a chegada do guincho. Meu filhinho dormiu recostado no ombro da irmãzinha e nem viu quando o socorro veio nos rebocar. Fomos levados até o posto da DERSA mais próximo de SP onde havia pátio para guardar o carro. No interior da unidade também tinha sanitários para alívio das senhoras e, também, água fresca para todos nós. Eu tratei de ligar para o marido que já estava vindo ao nosso encontro com o outro carro para nos buscar. Enquanto eu esperava, fiquei conversando com o policial rodoviário que fazia plantão no local e contei sobre o ocorrido e comentei sobre a ajuda do monitor de rodovia e sobre o comboio. O policial me informou que não estava programado nenhum comboio vindo do litoral e que não tinha nenhum monitor ao longo da estrada. Descrevi o rapaz e o policial alegou jamais ter visto alguém nestas características circulando pela rodovia. Admirada, exclamei que foi ele quem buscou ajuda parando a caminhonete da DERSA, mas o policial retrucou dizendo que o funcionário da DERSA parou por ter visto meu carro no acostamento. Perguntou-me se eu tinha certeza daquilo, fazendo uma cara de dúvida sobre minha sanidade mental. Odiei isso.
Já passava das 22 horas quando meu marido chegou e nos levou para casa de minha avó, todos sãos e salvos. Só no dia seguinte tivemos condições de buscar o carro quebrado, junto com um mecânico de nossa confiança.
Por muito tempo fiquei pensando sobre o anjo de preto que nos ajudou e chego à conclusão que poderia ter sido um ET bondoso e disposto a ajudar.


13 comentários:

Claudia disse...

Nossa mana vc teve mais sorte que eu ... QUERO VER UM ET rsss
Puxa vida, vc ainda lembra com detalhes dessa história! rsss
Creio que embaixo do chapeu teria as antenas e vc nao viu!
De qualquer forma ainda continuo com vontade de ver um tb rsss
Bjs mil

Betho disse...

Porque um ET? Não poderia ser um anjo mesmo...Ou um espírito bom? Seja como for, que esperiência hem?
Soninha, não obtive uma resposta sua com relação ao evento?
Beijos
Betho

Miguel disse...

Aí esta a cronista saltando com odo o impeto para a grandeza do mundo.
Soninha, tua cronica está deliciosa embora eu quisesse dizer assustadora (no bom sentido).
Devorei cada linha na intenção de chegar ao fim do relato e conhecer o desfecho.
Estou certo de que depois deste texto ficou provado que a Criatura ultrapassou o Criador.
Que bom!

Ilaine disse...

Soninha! Estava com saudades!

Que situação desesperadora nos narras aqui. Acompanhei cada momento e pude sentir a tua aflição. Um anjo da guarda te ajudou, amiga. Algo superior,talvez inexplicável para os outros, veio a teu encontro. Que maravilho, não é? Parabéns por tua linda escrita.

Beijo

Olinda Pereira disse...

Soninha....tudo bem? Achei linda a tua experiência de como Deus envia os santos anjos em forma humana, para salvar os seus filhos. Basta acreditar e pedir. Bjos.

Liliani Lippi disse...

Nossa amiga, será que foi um ET???...amigaaaaaa

Bjos em seu coração !!!!!!!!!
Liliani

Dilberto L. Rosa disse...

Que E.T. bacana, então, esse, não? Os de Hollywood normalmente são muito malvados e só querem saber de abdução...! Se fosse de branco, a gente até pensaria num "espírito de luz", como os espíritas gostam de crer, né? Mas o cara todo de preto... Vai ver que era um "homem de Preto", literalmente, e monitorava, na verdade, um pouso de alienígenas pelas redondezas e você acabou atrapalhando, re´, ré! De uma forma ou de outra, parabéns pelo ótimo texto! Abração!

Jeanne disse...

Estou te ofertando o selo Este blog é um sonho! lá no blog.
Podes ficar livre para aceitar ou não.
Beijos :)

Zeca disse...

Soninha, ainda ontem enviei a seguinte frase para a Betitinha: "Ela acreditava em anjo e, porque acreditava, eles existiam."
(A Hora da Estrela)
Clarice Lispector
Parece que tem tudo a ver com esta belíssima crônica/conto que acaba de me encantar.

Beijos.

Eráclito-Alírio da Silveira disse...

Sônia, o conto é muito bom e bem bolado, todavia, para aumentar o mistério, o ET bondoso deveria ter deixado uma prova material no carro.
Surpreendente, fascinante, mas ficou um mistério misterioso, talvez tenha sido uma alucinação. Muito bom.

Betho Sides disse...

Bem vinda ao concurso Soninha...Boa sorte amiga.
Beijos
Betho

Celso Ramos disse...

Olá Soninha!!!!

Se o que escreves foi experiência vivída, acredito piamente na mão de Deus enviando anjos para nos proteger. Por mais de duas vezes eu e minha esposa tivemos ajudas deste tipo...quando, passado o sufoco, queriamos agradecer...o sujeito tinha sido demitido ou transferido para outro estado..umas coisas meio loucas!!!!
"a harmonia invisível é mais forte que a visível" frag.54 Heráclito

Abraços!!!

Anônimo disse...

caraca, impressionante !!!


beijos
Alfredo