terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Um bebê e o Natal


O mês de Dezembro de 1982 foi muito especial para mim.
Exatamente no dia 6 nascia meu filho Vicente, às 22:10 h, de um parto normal, no Hospital João XXIII, na Mooca.
Era um bebê lindo, gordinho... Nasceu com 4 quilos e duzentos gramas... Imaginem!
Eu já tinha minha filha, Kátia, que estava com quase cinco anos (4 anos e 8 meses); já frequentava a escola, mas, naquele período já estava em férias.
A vida seguia num ritmo quase normal, afinal, agora eu tinha mais um filho em casa... Um bebê que, embora muito bonzinho, exigia todos os cuidados necessários.
Com a presença de um recém nascido em casa, o tempo passa a ser calculado de acordo com as trocas de fraldas e a próxima mamada, sem deixar de cuidar de toda a rotina da irmãzinha maior, além de todo o trabalho que uma casa exige. E eu, logo depois do parto, sofri uma hemorragia uterina intensa, levando-me a ficar mais em casa. Sentia-me bem cansada e não tinha vontade de sair, de passear, de ir a festas, etc.
Os passeios com a pequena Kátia eram feitos pelo pai, pois não era justo privá-la destas coisas de criança.
Logo chegaria o Natal e as festas de fim de ano, mas, a situação era nova. Tínhamos um bebê recém nascido em casa que exigia cuidados especiais, além do meu estado de saúde... Eu precisava me recuperar.
Então, decidimos que o Natal, naquele ano, passaríamos em nossa casa, proporcionando conforto e tranquilidade ao nosso bebê, à nossa filha e a nós mesmos.
As tradicionais compras de Natal eu já havia feito, antes do bebê nascer, justamente porque eu queria muita tranquilidade para nossa família depois do nascimento.
Assim foi feito. Arrumei e enfeitei toda a casa, como de costume, preparei toda a comida, sobremesa e ficamos em casa, na noite de Natal, com nossos filhinhos e com a visita de alguns familiares.
Foi um Natal de muita paz e alegria, com a benção de Jesus.
Feliz Natal a todos. Prosperidade para 2012.
Muita paz!

3 comentários:

Erica disse...

O nascimento de um filho é realmente algo incrível e para ser gravado na memória para sempre. Sempre lmbrarei do nascimento da minha filhota e como os natais tem sido muto melhhores depois dela. Um beijo

Euza Noronha disse...

Filhos são os presentes mais queridos que ganhamos, né? E qdo os esperamos em época de Natal, as alegrias se misturam e fica esta coisa linda!
Querida, obrigada pelo carinho de sempre!
Um grande beijo! E pro Miguelito tb, viu? Saudades de vcs dois!

Regis Marques disse...

Soninha, fihos fazem nossa alegria e nos trazem a certeza de perpetuação desse nosso "espírito milenar". Hoje nasceu minha primeira neta, mas divergências com a mãe dela me impedem de conhecê-la. Tavez um dia eu possa contar a você sobre a felicidade de ser avô. Um grande beijo.